Blogs e ColunasMeu INSSNotícias

RECEBIMENTO DE BENEFÍCIO PÓS-ÓBITO

O falecimento de um ente querido, além do momento do luto, traz a necessidade de uma série de providências burocráticas.

No INSS, o que fazer após o óbito do segurado? 

Primeiro, como o falecimento do segurado é comunicado ao INSS?

Por Lei, os cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais têm prazo de um dia útil para registrar o óbito no Sistema Nacional de Informações de Registro Civil, o SIRC. Esse prazo é ampliado para até cinco dias úteis, nas localidades sem acesso à internet. É por meio desse sistema, o SIRC, que o INSS faz o cruzamento dos dados e cessa o benefício por óbito.

Mas quem quiser pode avisar ao INSS?

Os dependentes ou familiares do segurado falecido podem comunicar o óbito, mas não é obrigatório. Pode ser feito através do MEU INSS, acessando o serviço “SOLICITAR DESISTÊNCIA, ENCERRAMENTO OU RENÚNCIA DE BENEFÍCIO”, ou pode comunicar também pela Central 135.

E mesmo com essa agilidade na comunicação, o benefício pode ser depositado após o óbito do segurado?

O INSS tem um cronograma para processar os pagamentos dos benefícios. O que acontece, em alguns casos, é um lapso de tempo pequeno entre o óbito e o cruzamento de dados. E, nesse intervalo até a cessação do benefício, a família, de posse de cartão e senha do segurado falecido, faz o saque do benefício que já havia sido depositado. O que não deve ser feito de jeito nenhum, ainda que existam dependentes com direito a requerer a pensão por morte.

Então, o que a família do segurado falecido deve fazer?

A família tem papel importante e o primeiro é não sacar o benefício. O procedimento a ser adotado é requerer, da forma correta, os valores não recebidos em vida pelo beneficiário e/ou solicitar a pensão por morte, se for o caso.

Como fazer isso?

A família ou representante legal do beneficiário deve requerer o seguinte serviço “SOLICITAR EMISSÃO DE PAGAMENTO NÃO RECEBIDO”. Esse pedido deve ser feito pelos canais remotos, ou seja, pelo MEU INSS ou Central 135. Mas, é importante explicar que existem duas situações: quando existe dependente habilitado para o benefício de pensão por morte e quando não existem dependentes legais.

Vamos explicar como funciona em cada caso. Quando há dependentes para pensão por morte, o que se deve fazer?

SUGESTÃO DE RESPOSTA: Nesse caso, havendo dependentes legais habilitados, deve ser solicitado o benefício de Pensão por Morte, também pelos canais remotos de atendimento do INSS. E, após a concessão da pensão, o dependente deverá solicitar o serviço “SOLICITAR EMISSÃO DE PAGAMENTO NÃO RECEBIDO”. Esses valores devidos serão pagos por meio de Pagamento Alternativo de Benefício (PAB).

E quando não existem dependentes para pensão por morte? Os familiares podem solicitar esse resíduo?

Sim, podem. Nesse caso, a documentação a ser apresentada é diferente. Os familiares deverão anexar ao requerimento um alvará judicial ou o formal de partilha ou ainda o inventário. Essa documentação é exigida para a comprovação legal de que o solicitante se trata de um herdeiro do segurado falecido. Sem a apresentação dessa documentação, o pagamento do resíduo não será liberado.

E se a família sacar o benefício de forma indevida? O que acontece?

É necessário ressaltar que o recebimento indevido do pagamento de segurado falecido pode gerar cobrança administrativa por parte do INSS, que realiza uma apuração junto à instituição bancária para a definição de responsabilidade.

Para saber mais sobre recebimento de benefício pós óbito, a família do segurado deve ligar para o telefone 135, que atende de segunda a sábado de 7 às 22 horas. Ou então, acessar o portal ou aplicativo do MEU INSS. 

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios