Blogs e ColunasNotícias

Putin e Hitler. Do velho Führer ao novo Czar. De um monstro a outro

Hitler nunca escondeu seu desapontamento com a derrota alemã na primeira guerra mundial, mesmo quando tentava esconder suas tendências absolutistas de “Führer“, (condutor, guia, líder ou chefe), para praticá-las no momento oportuno, aprazado por si mesmo. E o fez, com fúria sanguinária!!

Putin nunca escondeu seu desapontamento com a extinção da União Soviética, mesmo quando tenta esconder suas tendências absolutistas de “Czar” (imperador), para praticá-las no momento oportuno, aprazado por si mesmo. E é o está fazendo agora, com fúria sanguinária!!

Porém, quando Putin impôs a mudança da constituição, para se eternizar no poder, não foi mais possível disfarçar a sua sede de czarismo dominador, assim como Hitler fez com o nazismo expansionista.
Resultados: O monstro Führer Hitler e o monstro Czar Putin.

Características comuns: vaidade psicopata, megalomania, culto à personalidade, imposições violentas, guerras genocidas, paixão pela censura ideológica, esmagar qualquer oposição, destruir qualquer opositor, proibir qualquer crítica. Guerra…bombardeios…invadir…expandir…destruir…dominar…conquistar…matar…

Hitler pretendia construir um modelo em que a Alemanha fosse toda poderosa, e ele, o único “focal-point“. Então, priorizou o aumento da capacidade bélica do país. Com esse objetivo, Hitler aliou-se aos industrialistas, para produzir armamentos e consolidar seu formidável poderio militar.

O modelo de Putin sempre foi o Czar expansionista Pedro, o Grande, e para ser o único “focal-point” do retorno da União Soviética com grande poderio militar, em forma de império euroasiático, aliou-se aos milionários, poderosos e influentes oligarcas da federação russa.

Vejam que correlação tenebrosa!! No passado, o Czar Pedro , em 1700, desencadeou uma guerra contra a Suécia, objetivando controlar estrategicamente o mar Báltico. A Rússia ganhou essa guerra e Pedro construiu São Petesburgo, em terras que tinham sido tomadas dos suecos. Esse grande conflito ficou conhecido como ” A Grande Guerra do Norte”.

Atualmente, Putin desencadeia uma guerra contra a Ucrânia, objetivando obter um corredor estratégico rumo a Europa ocidental. A Rússia que já tinha anexado (descaradamente) a Criméia, agora anexou (disfarçadamente), parte da região de Donbass (Donetsk e Lugansk). Esse conflito poderá ser conhecido como “O Estopim da Terceira Guerra Mundial”.

E foi exatamente após a vitória sobre a Suécia, que o império russo se expandiu de maneira absolutista, porque Pedro extendeu o território russo, em uma guerra contra a Pérsia (1722-1723), seguida de conquistas de mais terras, ao redor do mar Cáspio.

E se Putin for vitorioso (misericórdia!!!), os demais países da extinta URSS que se cuidem, (especialmente: Moldávia, Lituânia, Estônia e Letônia), porque o corredor expansionista, estará aberto. Coincidentemente, Putin já ameaçou a Suécia, embora este país jamais tenha sido membro da URSS.

Porém, o “Czar Pedro O Grande”, colocaria sem saber, pedrinhas incômodas nas botas de intenções de Putin, de ser “S.M. o poderoso Czar Putin, conquistador do império euroasiático”.

Aconteceu que, Pedro era apaixonado pelo ocidente, especialmente pela Europa ocidental, e numa atitude ousada e audaciosa, em 1697, viajou disfarçado de operário carpinteiro de barcos, para trabalhar em estaleiros da Inglaterra e Holanda, objetivando aprender tudo que podia sobre a Europa ocidental, seu modo de vida e as ideias modernas que alvoroçavam a sociedade europeia estabelecida.

Para  fazer com que os russos adquirissem aparência ocidental, chegou a taxar aqueles que usassem barbas e roupas orientais. Evidentemente, nem todos gostaram da novidade imposta. Mesmo assim, o Czar Pedro, o Grande, modernizou a Rússia e a tornou mais poderosa, ao induzir ideias e técnicas ocidentais de gerenciamento comercial e industrial, além de tornar o governo e o exército mais modernos. Pedro morreu em 1725.

Putin se identificou com Pedro no que tange ao poder absolutista, à ostentação e luxo cortesão, e mais o imperialismo expansionista. Se identificou com Hitler no que tange ao poder absolutista, a violência contra desafetos, e a paixão pela guerra de invasões e conquistas territoriais.

Por outro lado, Putin sempre detestou o ocidente e seu modus-vivendi livre.
Putin não suporta democracias, liberdades individuais, direitos humanos, liberdade de expressão, imprensa livre. Ele jamais derrubaria o Muro de Berlim e jamais extinguiria a KGB. Para ele, “cortina de ferro”, eternamente.

Eu sou capaz de apostar que o livro de cabeceira de Putin, é aquele do covarde e sanguinário torturador Stalin. Qualquer semelhança com conhecidos ao redor do mundo, terá sido mera coincidência.
Isso porque, Putin não só apoia, mas também sustenta o brutal ditador sírio Bashar Hafez al-Assad, e apoia o não menos brutal ditador norte coreano Kim Jong-un.

Haja vista que, em dezembro de 2016, a Rússia iniciou uma operação militar implacável na Síria, para sustentar o cruel regime ditatorial de Bashar al-Assad.
Com a ajuda da Rússia, o presidente vitalício Bashar al-Assad e seus aliados transformaram Aleppo em uma caixa de morte. Seus moradores (300.000) foram bombardeados impiedosamente, mesmo sitiados, privados de água e alimentos.

E é esse sonho expansionista de imposição do império russo na Eurásia, onde ele seria o novo Czar, que impulsiona as insanas agressões de Putin, conforme cartilha de violência bem aprendida com Hitler, praticada por Stalin, e maleficamente exercitada na Síria.

Em seu tempo, Hitler ordenou a covarde invasão militar alemã na Polônia.
A mentira: a motivação, segundo ele, foi necessidade de espaço vital para proteger os arianos.
A verdade: Expandir o domínio alemão sobre a Europa. Reivindicar territórios que pertenceram ao antigo império alemão. Construir o Terceiro Reich. Eternizar o novo Führer com poderes absolutistas.

Atualmente, Putin ordena a covarde invasão militar russa na Ucrânia.
A mentira: a motivação, segundo ele, é proteger os cidadãos russos, nas províncias de Donetsk e Lugansk, parte da região de Donbass.
A verdade: Restaurar o domínio russo sobre o leste europeu. Reivindicar territórios dos países da extinta União Soviética. Reconstruir o império soviético. Eternizar o novo Czar com poderes absolutistas.

Características das duas invasões. Cruéis bombardeios sobre a população civil. Propaganda mentirosa. Censura total aos meios de comunicação. Agressões e prisões de opositores. Proibição total de manifestações contrárias às guerras. Ameaças aos países limítrofes. Dificultar e até mesmo proibir a ajuda humanitária.

Eu penso que ele é um criminoso de guerra“, disse Biden sobre Putin, a jornalistas….
Mais tarde, Biden diria em um evento no Capitólio:
Putin é um ditador assassino e um puro bandido”.
E arrematou na Polônia: -Ele é um “carniceiro”.

E Hitler foi o quê? comparativamente. Rigorosamente também foi criminoso de guerra, ditador assassino e mordaz bandido…carniceiro, besta-fera humana (humana??!!)

Eu fico pensando se Putin fosse obrigado a se encontrar com os familiares dos jovens soldados russos que morreram, estão morrendo, e vão morrer, durante esta inaceitável invasão russa da Ucrânia.
Creio que ele não teria moral para dizer nada, mas os pais daqueles jovens, certamente, diriam:
-Você assassinou nossos filhos!! Nossos jovens deveriam nos sepultar, e não nós sepultarmos nossos jovens. Criminoso, assassino!!

A foto acima, é de um soldado russo desconhecido, morto recentemente na Ucrânia.
Quem seria ele? Onde nasceu? Trabalhava? Estudava? Como seriam seus pais e família? E ele, teria filhos? Quais seriam seus sonhos e projetos de vida? De que gostava e de que não gostava? Como se divertia? Amava? Era amado?

Agora está morto em solo estranho!!
Qual o sentido para essa morte? Por quê? Para quê?

E se Putin fosse também obrigado a se encontrar com os familiares dos ucranianos mortos durante os bombardeios covardes e criminosos da invasão?
Evidentemente, não conseguiria sequer fitar aquela gente.

Mas aquela gente o fuzilaria com olhares, e certamente diriam:
Criminoso!! Nossas crianças deveriam estar em casa, nas escolas, ou brincando nas praças, e não sendo refugiados de guerra em outros países, ou pior, enterradas nos cemitérios, também bombardeados por você. 

Nossos jovens deveriam estar nas universidades, preparando-se para uma vida melhor, ou mesmo divertindo-se no “Lollapalooza”, e não sendo metralhados por uma força estrangeira invasora. 

Nossos idosos deveriam estar desfrutando de uma justa aposentadoria, reunidos e lembrando os velhos tempos, e não sendo bombardeados covardemente por mísseis, bombas de fragmentação e outros artefatos diabólicos. 

Nossas casas, apartamentos, escolas, creches, hospitais, praças, enfim, nossas cidades, deveriam estar sendo ampliadas, remodeladas, enfeitadas. Mas agora, estão destroçadas e são apenas escombros… 

Por que invadir a Ucrânia?
Para que invadir a Ucrânia?
Por que tamanha estupidez?

Estaria a Ucrânia ameaçando invadir a Rússia? Estaria a Ucrânia ameaçando ocupar Moscou? O que o povo ucraniano fez de errado para ser tão covardemente agredido?
Evidentemente, Putin ordenou a invasão da Ucrânia pelas mesmas razões que Hitler invadiu a Polônia, ou seja, imperialismo, expansionismo, sede de poder dominador, mente militarista maquiavélica, violenta, doentia, psicopata megalomaníaco.

Vocês já perceberam pelos noticiários de TVs em geral, a forma como Putin se desloca pelos corredores e cômodos dos palácios russos?
Ele não caminha, mas desfila pompa, sempre sozinho, para não dividir holofotes com ninguém.
Lá vem ele, arrogante e prepotente, sobre tapetes vermelhos de luxo, ladeados por multidões de bajuladores e muitas câmeras “for personality cult advertising” (propagande de culto à personalidade).

Rigorosamente, como o Führer, a seu tempo, agia na Alemanha… Putin age agora na Rússia, rigorosamente como um Czar criminoso de guerra…assim como Hitler foi um Führer criminoso de guerra…
Ambos são causadores de muita dor, muito luto, muita destruição, muitas desgraças, muito sofrimento e muitos crimes contra a humanidade…

No passado, não detiveram Hitler a tempo, e a desgraça avassaladora que se seguiu foi chamada de “Segunda Guerra Mundial ou Holocausto”.
No presente, detenham Putin a tempo, ou teremos de nomear a desgraça nuclear que virá da “Terceira Guerra Mundial ou Holocausto Nuclear”.

Eu conheci uma parte importante da Rússia. Estive em São Petesburgo como turista e convivi intensamente com um povo russo maravilhoso, educado, atencioso, pacífico, generoso e alegre.
Eu sou o construtor e coordenador de um acordo de cooperação com a ASAU (Arctic State Agrotechnological University) de Yakutsk, Republic of Sakha (Yakutia) da Federação Russa. Este intercâmbio, fez com que me tornasse um grande admirador daquela gente. Reveja:

“Se você é neutro em uma situação de injustiça, então você escolhe o lado do opressor”
https://www.agazetadelavras.com.br/se-voce-e-neutro-em-uma-situacao-de-injustica-entao-voce-escolhe-o-lado-do-opressor/

Afirmo categoricamente: –Esta guerra não é da Rússia. Esta guerra não é do povo russo. O povo russo não tem nada contra o povo ucraniano. Esta guerra é de um psicopata megalomaníaco. De um meliante conhecido pela alcunha de Putin, que curiosamente, em português soa…(aquilo mesmo que você pensou).

E antes que algum desavisado, ou mesmo mal intencionado, tente desviar o assunto para a área ideológica, sugiro acessarem novamente a minha crônica anterior:
“O Afeganistão, a guerra do Vietnã, o Brasil, e a UFLA!!”
https://www.agazetadelavras.com.br/o-afeganistao-a-guerra-do-vietna-o-brasil-e-a-ufla/

Continuaremos na próxima semana. Não percam.

(Acessem as crônicas anteriores, clicando na franja “Blogs e Colunas“, acima do título da matéria atual. Em seguida, pode-se clicar na franja “Próxima página >“, no rodapé da página aberta, para continuar acessando-se mais crônicas anteriores).

 

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios